Prefeitura Municipal divulga nota com inverdades na tentativa de manipular opinião pública


Com o objetivo de influenciar a opinião da população de Chapadão do Céu, a Prefeitura Municipal, divulgou na manhã desta quarta-feira (12), uma nota com informações equivocadas sobre a denúncia de improbidade administrativa que está tramitando na Câmara de Vereadores, contra o Prefeito Rogério Pianezzola.

No texto fica notória a intenção de denegrir a imagem do Poder Legislativo, citando de forma leviana e irresponsável que o julgamento da denúncia está sendo conduzido de forma ilegal e com teor político.

Segundo o Presidente do Poder Legislativo Paulinho da Mec Céu, o julgamento tramita na Câmara Municipal, seguindo todas as determinações previstas em Lei,  e relata que as informações divulgadas em nota pelo Poder Executivo não são verdadeiras.

- A nota divulgada pela Prefeitura Municipal cita que a Câmara aprovou um convênio para o Conselho de Segurança, sendo que na verdade foi aprovado um repasse em forma de doação no valor de 550 mil, na qual o Prefeito Municipal por conta própria fez um aditamento (aditivo) de 125 mil, deste valor 30 mil reais foi repassado para obras em Mineiros. – Citou Paulinho.

O texto destaca ainda que a LEI 8.666, autoriza o aditivo sem passar pelo Legislativo, fato que não é verdade, tendo em vista que a referida Lei trata sobre licitações e não doações que é o caso relatado na denúncia.

A nota cita que o mesmo tipo de aditivo foi feito em 2013, salientando o nome do Vereador Luiz Alberto, como gestor na Secretaria de Administração naquela oportunidade. 

Sobre este assunto, o Presidente Paulinho da Mec Céu se mostrou preocupado, pois segundo matéria publicada no site da Prefeitura Municipal, o erro é recorrente na atual administração.

- Em 2013, se realmente isso aconteceu também estava errado, um erro não pode justificar o outro e nem isentar o Prefeito Municipal de arcar com suas responsabilidades. A Câmara Municipal recebeu uma denúncia e está tratando com isonomia e respeito com todas as partes envolvidas, desde que se fale a verdade, sem a tentativa de denegrir ou dar uma conotação política para o julgamento. As manifestações públicas dos vereadores estão sendo evitadas, visando dar o trâmite adequado ao processo – Finalizou Paulinho da Mec Céu.